Como não cair em golpes financeiros

Image by Mohamed Hassan from Pixabay

Ligações telefônicas para confirmação de dados, sites falsos, links que direcionam o consumidor para um ambiente fraudulento, SMS ou mensagem de WhatsApp de empresas de fachada. O caminho é sempre muito parecido, afinal as pessoas que praticam golpes precisam conseguir, via engenharia social, os dados da  vítima. São criminosos que querem o seu dinheiro. 

No ano passado, foram registrados no Brasil 208 golpes por hora, conforme aponta a 17ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O país registrou 1,8 milhão de ocorrências de estelionato.

As instituições bancárias possuem altíssima tecnologia para impedir golpes e fraudes, sabendo disso, o criminoso mira o usuário final para aplicar golpes. Por isso, o consumidor deve ficar atento, pois os criminosos quando ligam são bem convicentes na fala e quando mandam links usam sites quase idênticos aos originais, seja da Receita Federal, de bancos ou outros. Aqui já temos um primeiro sinal de alerta: Receita Federal ou bancos não ligam para seus clientes pedindo seus dados e suas senhas. 

Recentemente tivemos muitos golpes ligados à restituição do imposto de renda. Os criminosos entraram em contato com os contribuintes informando que providenciaram a restituição imediata. Isso não ocorre. É impossível. As restituições da Receita Federal têm data certa para ocorrer,

No caso dos bancos, as tentativas de fraudes ocorrem 365 dias por ano. Algumas instituições bancárias estão com avisos em canais de TV aberta com o alerta de que nunca ligam para seus clientes pedindo que eles façam transações bancárias.

O consumidor deve ficar atento a esses sinais e tomar alguns cuidados, como: 

  • Buscar informações somente nos sites oficiais ou nas centrais de atendimento;
  • Quando precisar emitir alguma guia de pagamento só o faça nos canais oficiais;
  • Quando precisar da segunda via de algum boleto, busque diretamente no site da empresa credora;
  • Avalie as guias antes de autorizar seu respectivo pagamento. Confira o CPF ou CNPJ do beneficiário e o banco que está emitindo a cobrança. Caso identifique que um ou mais desses dados não conferem, não efetue o pagamento;
  • Não clique em anúncios com informação de patrocinado ou em links de e-mails desconhecidos;
  • Não abra arquivos anexados, pois, normalmente, são programas executáveis que podem causar danos ao computador ou capturar informações confidenciais do usuário;
  • Não acione os links para endereços da internet, mesmo que lá esteja escrito o nome da Receita Federal ou de algum banco, ou mensagens como “clique aqui”;
  • Cuidado com ligações telefônicas que lhe peçam informações confidenciais, você nunca sabe quem está do outro lado da linha. Jamais compartilhe suas senhas.

Vale lembrar, que no Brasil já ocorreram diversos vazamentos de dados pessoais, e o fraudador pode ter todas essas informações e usá-las para lhe enganar, assim, fique de olho nas dicas acima.

Em caso de dúvidas, seja com uma ligação telefônica, uma mensagem de texto por SMS ou Whatsapp, o melhor caminho é procurar os órgãos oficiais ou sua agência bancária. Melhor adiar uma decisão, do que tomar a decisão errada. 

Tito Lívio é CLO da U4Cacumula 23 anos de experiência como advogado nas áreas empresarial, tecnologia e inovação. Empresário das áreas de telecomunicações, conciliação, mediação e arbitragem online, correspondência bancária e meios de pagamentos eletrônicos. Doutorando em Ciências Jurídicas e pós-graduado em gestão ambiental empresarial

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!