Depois de anunciar novos termos, Whatsapp vai perdendo espaço para Telegram e Signal

Telegram e Signal

Os aplicativos do Telegram e Signal tiveram um grande aumento em seus números de downloads nas principais lojas de aplicativos após o WhatsApp começar a disparar uma mensagem para seus usuários aceitarem os novos termos de serviços do mensageiro.

Na prática, essas normas já são vigentes desde 2016, mas só agora a maioria dos usuários começaram a tomar ciência dela, já que o app do grupo de Mark Zuckerberg começou a solicitar a autorização de cada perfil.

Com isso, o aplicativo pertencente ao grupo de Zuckerberg começa a receber permissão para compartilhar os dados recebido pelo mensageiro com o próprio app do Facebook. Consequentemente, boa parte dos usuários ficaram insatisfeitos com a notícia e começaram a migrar para aplicativos concorrentes.

Como resultado disso, os mensageiros do Telegram e do Signal começaram a notar um crescimento no número de downloads na App Store e na Play Store – as lojas de aplicativos de celulares iOS e Android, respectivamente.

De acordo com os dados divulgados pela empresa de consultoria App Annie, o Signal já atingiu o primeiro lugar na loja da Apple em 44 países no último domingo, 10 de janeiro. Antes disso, o app sequer figurava no top 100 da App Store. A situação é semelhante na Play Store, loja na qual o app liderou em 14 países no mesmo dia e também não tinha aparecido entre os 100 primeiros antes.

Já o Telegram, principal rival do WhatsApp em vários países, já tinha uma popularidade maior antes, com quase 500 milhões de usuários. No entanto, no último domingo, o mensageiro russo atingiu o primeiro lugar em downloads na Play Store em 20 países diferentes, enquanto na App Store a aplicação liderou em 29 mercados.

Vale destacar que, no Brasil, o Telegram já figurava o top 50 de downloads na App Store há um tempo, mas atingiu a liderança nos últimos dias, assim como aconteceu nos Estados Unidos.

Informações Tecnoblog

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!