Mulheres ingressam a passos lentos para atuar no mercado de tecnologia
Imagem de StartupStockPhotos por Pixabay

A tecnologia e a inovação são essenciais para desenvolver uma marca com excelência

O avanço na criação de firmas no Brasil tem sido considerável, tendo alcançado um recorde de 1.331.940 novos CNPJs registrados nos primeiros quatro meses deste ano. Ao total, somam-se 21 milhões de empresas ativas no país e, dessas, 93,7% são classificadas como micro ou de pequeno porte, segundo o Mapa de Empresas. Embora o aumento de 21,8% seja um indicativo positivo, o fechamento também cresceu, com 34,3% a mais, ante o último quadrimestre e 34,7% em relação à mesma época do ano passado. Apesar desses desafios, o saldo geral de aberturas no início de 2023 ainda permanece positivo, com um acréscimo líquido de 594.963 entidades no período.

Logo, fica visível como decolar um negócio é uma decisão de enorme responsabilidade, com atenção especial aos detalhes técnicos e uma gestão inovadora. Por essa razão, existem preocupações fundamentais a serem consideradas antes de se adentrar em uma jornada como essa.

O planejamento é a chave de tudo 

Grande parte das marcas enfrenta um problema em comum: a impulsividade. Em função disso, não há um plano estabelecido para o andamento, assim como público-alvo e a estrutura. Logo, o primeiro passo de tudo, antes de qualquer coisa, é colocar a cabeça no lugar, entender o pretendido e como alcançá-lo.

Após essa análise, em diversos casos, se percebe a necessidade de uma capacitação. “Hoje, muitos cursos voltados para esse viés estão disponíveis virtualmente e de forma gratuita, basta correr atrás de oportunidades na Internet”, propõe Carlos Henrique Mencaci, CEO da Assine Bem. Nesse sentido, pesquisar o andamento do mercado de atuação é um ponto extremamente importante no contexto de enxergar em qual nicho de público se encaixa.

Ainda olhando pelo ponto de vista de organização, é essencial ter em mente os altos custos envolvidos em abrir as portas de um local. “Colocar uma corporação para funcionar vai além de apenas os gastos conhecidos no cotidiano. Não tem como fugir de pensar na infraestrutura, investimento e fazer cálculos”, comenta o especialista. Dentre os principais valores de destaque, se encontram as taxas da junta comercial e da emissão do alvará, além de outras as quais variam de acordo com a localidade e o ramo.

Desse modo, ter uma contabilidade de excelência ao lado é um diferencial significativo. Ela será responsável por gerar informações cruciais para a marca estar sempre em dia com os órgãos públicos. Além disso, também realizam a conta de impostos e tributos a serem quitados, bem como análise da situação contábil e geração de conhecimentos para a gestão.

Por fim, a designação da estrutura física tem um papel de impacto. Além de determinar o território onde será, é imprescindível também adquirir uma estrutura para o funcionamento, ou decidir, caso opte pelo home office. Essa escolha dependerá de cada área de ocupação, mas, em toda situação, é relevante observar se há uma adequação ao público de enfoque, principalmente, nas diretrizes colocadas pelo município referente ao lugar.

 

Pendências jurídicas não podem ser deixadas de lado

Elaboração do contrato – Para um escritório funcionar, é indispensável a elaboração. Nesse documento estão relacionados os pontos práticos do funcionamento, primordiais e englobando elementos como nome, endereço e atividade, capital, a relação entre os membros e como se dá a divisão dos lucros. Ademais, qualquer alteração nesse cenário leva a refazer as inscrições federal, estadual e municipal, assim como as licenças. As sociedades limitadas só podem ser alteradas se 75% do dinheiro estiver de acordo.

Ainda nessa linha de raciocínio, a opção escolhida para regime tributário é fundamental. Atualmente, são basicamente três os existentes: Simples Nacional, Presumido ou Real. A alternativa pelo tipo precisa ser feita até o início do próximo ano, mas, as análises devem ser realizadas com antecedência, diminuindo as chances de erros. “Cada caso precisa de uma avaliação individualmente, pois não existe um modelo exato. Apesar da popularização do Simples, pode não ser a mais interessante”, pontua o executivo.

No geral, hoje, a burocracia diminuiu, mas ainda há certa dificuldade. Logo, é fundamental possuir os registros e licenças necessários para o funcionamento de uma instituição, caso contrário isso se configura em um risco jurídico. Dentre o material, estão uma autorização da prefeitura para o imóvel ser habitado e as regras de ocupação de solo, definidas individualmente por cada cidade em leis de zoneamento.

Ademais, há o pagamento de taxas, dentre outras necessidades dependendo da atividade envolvida. “Na Junta Comercial é preciso buscar as declarações dos atos sociais, como contrato, atas de reuniões, deliberações, etc. Já para obtenção de registro do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) a procura deve ser realizada na Receita Federal, assim como o alvará e nota fiscal, caso seja contribuinte do ISS (Imposto Sobre Serviços) é direcionado para a prefeitura local. Por fim, a Secretaria Estadual da Fazenda disponibiliza a obtenção de inscrição Estadual”, explica Mencaci.

Ainda lidando com papelada, o processo de contratação de profissionais tende a ser, em muitos momentos, complicado e demorado. Se a organização, de fato, apresenta a necessidade de funcionários para se manter de pé, processos seletivos para admissão são requisitados, assim como uma equipe para cuidar de tudo. Com a finalização desses procedimentos, é hora de elaborar o acordo de trabalho, definir salários, benefícios e ver qual o melhor regime para regularizar o mesmo junto ao INSS.

Como um todo, questões ligadas a certificados, títulos e credenciais tendem a ser complexas e assustar um pouco os líderes, mas não precisa ser assim. A Assine Bem oferece oportunidades únicas de um gerenciamento, logística e administração dessas demandas com praticidade e segurança, com a tecnologia ao lado.

Isso porque a plataforma responsiva conta com uma defesa data center e criptografia de ponta para proteger seus usuários do melhor jeito. Desse jeito, é viável assinar e finalizar comprovantes de forma on-line, com apenas alguns cliques e sem preocupações extras. “Tudo é feito da maneira mais simples, cômoda e confiável disponibilizada pela inovação até agora”, encerra o CEO.

Serviço: Empreendedores iniciantes e o sucesso das novas empresas

Fonte: Carlos Henrique Mencaci, CEO da Assine Bem

Sobre a Assine Bem

A Assine Bem é uma plataforma criada para otimizar o processo de assinaturas e gestão de documentos. A ferramenta desenvolvida pela empresa conecta pessoas e processos em qualquer lugar, tornando as etapas de validação de arquivos um processo sustentável e econômico.

Com segurança baseada em criptografia, os contratos arquivados e autenticados na plataforma são inalteráveis, trazendo mais proteção aos clientes. Além disso, é possível criar, editar e enviar arquivos aos signatários de maneira rápida e prática pelo site. A solução oferece, também, integrações por API’s para todos os tipos de sistemas.