Campeonatos organizados no Brasil oferecem premiações de até R$ 400 mil aos campeões

Para alguns, a sinuca é um jogo recreativo, perfeito para se divertir com os amigos em bares, lanchonetes e salões. Mas tem gente que encara o assunto com seriedade. Como é o caso de Josué Ramalho da Silva, o famoso Baianinho de Mauá, que começou a jogar por diversão e se tornou profissional.

Atualmente, Baianinho é o principal nome de um dos esportes mais populares do país, demonstrando toda a sua habilidade com tacos de sinuca Brasil afora. Aliás, a sinuca é, sim, um esporte. A atividade recebeu essa classificação no ano de 1988, quando Rui Chapéu ainda dominava o cenário nacional. 

Mas como a sinuca passou de uma recreação, para um esporte com campeonatos que oferecem premiações de até R$ 400 mil? Para entender a evolução da sinuca, precisamos voltar às origens do jogo. 

Origens da sinuca

Porém, antes, vale destacar que sinuca e bilhar são jogos diferentes. O bilhar serve como “base” para outros jogos que utilizam tacos, bolas e uma mesa. Portanto, a sinuca, também conhecida como Snooker, é uma variação do bilhar. 

Não existe uma data para a origem, mas historiadores indicam que em 3000 a.C., versões rudimentares do croquet e cricket já utilizavam bolas e tacos, semelhantes aos de sinuca.  Posteriormente, o jogo fez parte de rituais realizados entre os séculos II e III por guerreiros bárbaros da época. Eles atiravam pedras arredondadas em outras posicionadas no chão, como uma espécie de bocha. 

Estudiosos acreditam que o bilhar, no formato que conhecemos, começou a ser praticado durante o século XV. Existe mais de uma versão sobre a invenção da atividade. 

Uma das principais envolve Devigne, um francês que desempenhava a função de artesão de Luís XI. Acredita-se que o Rei se divertia na mesa de bilhar enquanto seus soldados estavam nos campos de batalha. Outras versões consideram que o bilhar nos moldes atuais começou em países como China, Inglaterra, Espanha e Itália. 

A atividade começou a ganhar fama na Europa, chegando ao Reino Unido no século XVI. A popularização em território britânico era questão de tempo, pois a rainha escocesa Mary Stuart praticava e ajudava na divulgação. Só para ilustrar um pouco do amor de Mary pelo jogo, após ser decapitada a pedido da rainha Elizabeth I, o corpo foi sepultado com o pano que revestia sua mesa de bilhar.

Em paralelo, espanhóis atravessaram o oceano e desembarcaram na América do Norte, para difundir o bilhar. 

Os equipamentos evoluíram. As bolas eram feitas de madeira até o século XVII, quando houve a troca da madeira pelo marfim. O material foi aposentado apenas no século XIX, graças ao norte-americano John Wesley Hyatt introduziu o uso de celulóide em 1869.

Com o passar dos anos, passou por diversas alterações, servindo como referência para a criação de novas vertentes: Pool, Carom, Mata-Mata, Bagatela e, claro, o Snooker, mais conhecido como sinuca. O Snooker, por sua vez, foi criado por soldados de origem inglesa que batalhavam na Índia. 

Popularização da sinuca e chegada ao Brasil

Após o general Sir Neville Francis Fitzgerald ter criado a sinuca na Índia, a modalidade começou a ganhar fama no mundo. O primeiro campeonato profissional aconteceu na Inglaterra, em 1907. Após 27 anos, o país também sediou o primeiro torneio a nível mundial. 

Em 1930, a fábrica de mesas Brunswick chegou ao Brasil, para impulsionar de vez a atividade por aqui. As fábricas brasileiras surgiram na década de 40, com a Tujague, no Rio de Janeiro, e a Taco de Ouro, em São Paulo. 

A Associação Metropolitana de Bilhar foi a primeira do país, sendo fundada em 1944 no estado do Rio de Janeiro. Ela possuía vínculo com o Conselho Nacional de Desportos (CND), mas a parceria foi descontinuada em 1956. 

No entanto, o primeiro campeonato não aconteceu no Rio, mas em São Paulo, no ano de 1958. Atualmente, o Interclubes Paulista ainda é disputado, portanto, é o torneio mais antigo do país. 

No mesmo período a sinuca ganhou uma grande aliada no Brasil: a televisão. A partir de 1960, a modalidade passou a ser divulgada por emissoras de TV. Assim, iniciou a “era de ouro” dos salões, com destaque para Maravilhoso, Taco de Ouro, Palácio Império, Indigena e Bandeirante. 

O primeiro campeonato brasileiro se deu em 1978, no Palácio São Cristóvão, localizado no Rio de Janeiro. Isso mostrava que a sinuca tinha cada vez mais jogadores e espectadores.

Sabendo do crescimento da atividade, a Rede Bandeirantes resolveu transmitir jogos ao vivo em seu canal. A estreia da sinuca no programa “Show do Esporte” aconteceu em 1984, por meio de Juarez Suarez, Luciano do Valle e Quico Leal. 

A emissora logo descobriu um jogador baiano, imbatível nos bares e botecos paulistanos: Rui Chapéu. O jogador assinou com a Band após vencer os 12 melhores jogadores do Brasil. 

Rui viveu o auge de sua trajetória durante a rivalidade com o norte-americano Steve Davis, em 1986. As partidas entre os dois eram assistidas por milhares de pessoas, rendendo ótimos números de audiência a Bandeirantes. 

Além de render grande audiência, as transmissões foram fundamentais para o crescimento e desenvolvimento da sinuca em território brasilieiro. 

Profissionalização e cenário atual da sinuca brasileira 

Desde 1988, o Conselho Nacional de Desportos considera a sinuca como esporte. No mesmo ano, dirigentes de federações da modalidade se reuniram em Ubatuba-SP para aprovar a primeira manifestação oficial das Regras da Sinuca, como normas nacionais. Era o que faltava para tornar a profissionalização possível. 

Hoje, existem diversos jogadores profissionais de sinuca, que ganham a vida praticando o esporte. Eles vivem com o dinheiro oferecido por patrocinadores e prêmios conquistados em campeonatos. 

A Confederação Brasileira de Sinuca (CBBS) é a entidade responsável por organizar as principais disputas no Brasil. O Campeonato Brasileiro da CBBS pode ser considerado como o Brasileirão da sinuca. 

O ranking nacional de sinuca, divulgado no site da CBBS, tem o paulista Igor Figueiredo na liderança, somando 360 pontos. O top 3 segue com os paranaenses Fabinho e Noel Moreira, com 240 e 195 pontos, respectivamente. 

Porém, outros torneios de grande relevância, sem a chancela da confederação, acontecem pelo país. O Baianinho de Mauá, por exemplo, participa da Liga Brasileira de Sinuquinha (LBS). 

Apesar de parecidas, sinuca e sinuquinha são jogos diferentes. Basicamente, as diferenças estão na dimensão e peso das bolas, revestimento da mesa e número de caçapas. 

Estrelas da sinuca 

O primeiro jogador a se tornar uma estrela da sinuca foi Rui Chapéu. Suas partidas eram transmitidas pela Band, ajudando, e muito, na popularização do jogo e de Rui. Entre 1984 e 1992, o baiano foi uma das principais atrações do “Show do Esporte”. 

Rui Chapéu teve uma carreira de 68 anos, parando apenas em 2020, ano de sua morte. O seu legado permanece e sua figura serviu de inspiração para diversos garotos que buscam a profissionalização. 

Sem dúvida, Rui influenciou Igor Figueiredo, campeão mundial de sinuca em 2018 e campeão brasileiro em 13 oportunidades. Igor começou a jogar com apenas 5 anos de idade. A brincadeira ficou séria, a partir dos 13 anos, quando participou de seu primeiro campeonato. 

Assim como Igor, Josué, o Baianinho de Mauá também iniciou cedo. Mesmo com pouca idade, o jogador já atraia a atenção dos moradores da cidade de Paulo Afonso-BA. Segundo ele, até mesmo os policiais paravam para ver o jogo. 

Depois de alguns anos, Baianinho foi morar em Ribeirão Preto-SP, para trabalhar como pedreiro. Certo dia, resolveu jogar sinuca em um bar e, após o fim da partida, conseguiu dobrar o salário. 

O apelido veio após sua chegada à Mauá-SP, cidade da Região Metropolitana de São Paulo. 

“Comecei a jogar em Mauá, fui andando no ABC, Santo André, São Bernardo, fui jogando em toda a redondeza e ganhando do pessoal. Perguntavam de onde eu era, aí pegou. Tem um Baianinho lá de Mauá que é bom, aí ficou o apelido”, afirmou Josué em entrevista ao Globo Esporte

A fama não parou de crescer. Os vídeos de Baianinho viralizaram, rendendo milhões de visualizações. Além disso, ele começou a participar de campeonatos cada vez mais importantes. 

Em 2022, Josué faturou o maior prêmio da história da sinuca no Brasil. A vitória diante de Felipinho colocou R$ 400 mil na conta do atleta. 

Quando o bilhar começou a ser praticado, pelos bárbaros nos séculos II e III, ninguém imaginava que a atividade se tornaria uma profissão. Mais do que isso, o jogo se tornou popular em todo o mundo, com milhões de praticantes. 

A paixão e dedicação dos praticantes foi vital para que a sinuca fosse encarada como um esporte. Os jogadores não são mais considerados malandros, mas sim atletas.